Campanha da Fraternidade 2021

 

 O cartaz da Campanha da Fraternidade Ecumênica do ano de 2021, traz o tema "Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor'' e o lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Efésios 2, 14). 

O cartaz nos remete ao apelo de Cristo pela “unidade”. A escolha de uma ciranda foi a base do desenho, pois em uma roda não tem primeiro, nem último, todos formam um e precisam trabalhar na mesma sintonia e ritmo para não perder o compasso, todos e todas são convidados a participar desta ciranda pela vida. As pessoas também são convidadas a participar da construção da civilização do amor, da justiça, da igualdade e da paz. Na ciranda há uma criança com a mão estendida a espera de mais pessoas a fim de que o movimento de fraternidade não pare. Somos todos convidados!”. (A ciranda lembra uma canção muito comum em nossas comunidades, ‘baião das comunidades’ do cantor e compositor, Zé Vicente).

O cartaz foi escolhido pela comissão constituída pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB).

 

V CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2021

Todos os anos, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho de conversão quaresmal. É uma atividade ampla de evangelização que pretende ajudar os cristãos e pessoas de boa vontade a vivenciarem a fraternidade em compromissos concretos, provocando, ao mesmo tempo, a renovação da vida da Igreja e a transformação da sociedade, a partir de temas específicos.

Criada em 1962, a Campanha da Fraternidade é apresentada todos os anos na quarta-feira de cinzas, quando tem início a Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa.

A quinta Campanha da Fraternidade Ecumênica, traz o tema "Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor'' e o lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Efésios 2, 14). 

A mesma, tem por objetivo  geralconvidar as comunidades de fé e as pessoas de boa vontade para pensar, avaliar e identificar caminhos para superar as polarizações e as violências através do diálogo amoroso testemunhando a unidade na diversidade”.

Para alcançar este objetivo geral, somos chamados, como objetivos específicos, a:

  • Redescobrir a força e a beleza do diálogo como caminho de relações mais amorosas;
  • Denunciar as diferentes violências praticadas e legitimadas indevidamente em nome de Jesus;
  • Comprometer-nos com as causas que defendem a casa comum, denunciando a instrumentalização da fé em Jesus Cristo que legitima a exploração e a destruição socioambiental;
  • Contribuir para superar as desigualdades;
  • Animar o engajamento em ações concretas de amor ao próximo;
  • Promover a conversão para a cultura do amor, como forma de superar a cultura do ódio;
  • Fortalecer a convivência ecumênica e inter-religiosa;
  • Estimular o diálogo e a convivência fraterna como experiências humanas irrenunciáveis, em meio a crenças, ideologias e concepções, em um mundo cada vez mais plural;
  • Compartilhar experiências concretas de diálogo e convívio fraterno (Cf.: CFE 2021, Texto-Base: Brasília-DF, Edições CNBB, p. 8-9).

De acordo com a introdução do Texto-Base (CFC 2021), o diálogo é o melhor testemunho. A fé nos lembra que Cristo é nossa paz e nos anima a prosseguir pelo caminho da unidade na diversidade. É a Boa-Nova do Evangelho que nos une e acolhe as diferentes experiências de testemunho cristão. Afirma-se também que a fraternidade e o diálogo são compromissos de amor, porque Cristo fez uma unidade daquilo que era dividido.

O texto bíblico que fundamenta a reflexão nesta caminhada quaresmal é o texto dos discípulos de Emaús, como narra o Evangelho de Lucas (Lc 24,13-35). É um dos modos de viver a espiritualidade quaresmal, conscientes que, é a paz do Ressuscitado que nos une.  

Os discípulos de Emaús caminhavam de Jerusalém a Emaús, uma jornada de 11 quilômetros. Conversavam sobre todos os acontecimentos relacionados à condenação e à morte de Jesus, quando outro peregrino se incorporou à viagem. Seus corações estavam divididos, desanimados e marcados pela dúvida sobre tudo o que havia acontecido com Jesus de Nazaré: Paixão, morte e Ressurreição.

Ao chegarem ao destino, o peregrino que estava com eles indica que seguiria sua viagem. No entanto, os discípulos o convidam para pernoitar: “Fica conosco”. Foi ao redor da mesa, quando o estranho partiu o pão e o abençoou, que eles reconheceram que aquele que lhes parecera estranho, na verdade, era Jesus. Somente nesse momento eles creram que a ressurreição anunciada pelas mulheres era verdadeira. Decidem, por isso, voltar de imediato à comunidade de Jerusalém. Com eles, aprendemos que o diálogo com Jesus faz o coração arder e, assim resgataram a esperança sentido a presença do Cristo vivo, ressuscitado. Experiência decisiva para partir e dar testemunho de tudo aquilo que ouviram e presenciaram.

O Texto-Base da V CFE 2021, segue a metodologia: Ver, julgar, agir e celebrar a grande convivência entre as Igrejas cristãs. Convida as comunidades de fé a realizarem o caminho de Emaús, que será caracterizado pelas seguintes paradas:

- Primeira parada: “o VER” – um convite para conversar sobre os acontecimentos mais recentes que marcam nossa história e observar se as alternativas e saídas que identificamos são opções coerentes com a Boa-Nova do Evangelho.

- Segunda parada: “o JULGAR” – é a possibilidade de, a partir da inspiração bíblica, lançar luzes sobre o contexto vivido por nós. O “Julgar” é quando nossas mentes e corações se abrem. Foi como aconteceu com os discípulos que reconheceram que era Jesus que caminhava com eles. Esse reconhecimento aconteceu apenas quando ele “se pôs à mesa com eles, tomou o pão, pronunciou a bênção, partiu-o e lhes deu” (Lc 24,30). O texto bíblico de Efésios (2,14ª), ao proclamar que Cristo é a nossa paz, é a luz que ilumina nossos caminhos, indica que a fé em Cristo nos ensina a trilhar caminhos de coexistência em sociedades divididas pelos muros das intolerâncias.

- Terceira parada: “o AGIR” – a partir de experiências de boas práticas realizadas pelo CONIC, indicaremos exemplos que podem contribuir para derrubar os muros das divisões. Esses exemplos são respostas à paz de Cristo, que é oferecida para nós incondicionalmente. Elas são semelhantes à alegria dos discípulos de Emaús que, ao reconhecer Jesus, voltam para Jerusalém, a fim de contar a Boa-Nova: Cristo ressuscitou – a vida triunfou, e não a violência.

- Quarta parada: “o CELEBRAR” – momento de afirmar que a diversidade presente na Criação não é negativa, mas é a revelação da imensa e irrestrita amorosidade de Deus para com a humanidade. Não há nada que justifique a inimizade e a anulação da diversidade humana. Somos quem somos porque Deus nos criou pessoas diversas. Como exemplo disso, consideramos como paradigmática a conversão do apóstolo Paulo, que passou de perseguidor violento das primeiras comunidades cristãs a uma pessoa que promoveu a coexistência nas comunidades e a superação dos preconceitos entre judeus e gentios. (Cf.: CFE 2021, Texto-Base: Brasília-DF, Edições CNBB, p. 15-16).

 

 

 Oração da Campanha da Fraternidade 2021

Deus da vida, da justiça e do amor,
Nós Te bendizemos pelo dom da fraternidade
e por concederes a graça de vivermos a comunhão na diversidade.

Através desta Campanha da Fraternidade Ecumênica,
ajuda-nos a testemunhar a beleza do diálogo
como compromisso de amor, criando pontes que unem
em vez de muros que separam e geram indiferença e ódio.

Torna-nos pessoas sensíveis e disponíveis para servir a toda a humanidade,
em especial, aos mais pobres e fragilizados, a fim de que possamos testemunhar

o Teu amor redentor e partilhar suas dores e angústias,
suas alegrias e esperanças, caminhando pelas veredas da amorosidade. Amém!

*********************************************************************

O Hino da V CFE 2021 convida todos e todas a participarem desta grande ciranda ecumênica do diálogo e do amor: “Venham todos vocês venham todos, reunidos num só coração. De mãos dadas formando a aliança, confirmados na mesma missão”. Em nome de Cristo, que é a nossa paz!

 

Hino Campanha da Fraternidade  Ecumênica 2021

 

https://youtu.be/UWH72o0XEEA


Tema: “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor”
Lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2, 14ª)

 

Letra: Frei Telles Ramon, O. de M.
Música: Adenor Leonardo Terra

  1. Venham todos, vocês, venham todos,
    Reunidos num só coração, (cf. At 4, 32)
    De mãos dadas formando a aliança,
    Confirmados na mesma missão. (2x)

Refrão:
Em nome de Cristo, que é a nossa paz!
Em nome de Cristo, que a vida nos traz:
Do que estava dividido, unidade Ele faz!
Do que estava dividido, unidade Ele faz! (cf. Ef 2,14a)

  1. Venham todos, vocês, meus amigos,
    Caminhar com o Mestre Jesus,
    Ele vem revelar a Escritura
    Como fez no caminho à Emaús. (cf. Lc 24) (2x)

 

  1. Venham todos, vocês, testemunhas,
    Construamos a plena unidade
    No diálogo comprometido
    Com a paz e a fraternidade. (2x)

 

  1. Venham todos, mulheres e homens,
    Superar toda polaridade,
    Pois em Cristo nós somos um povo,
    Reunidos na diversidade. (2x)

 

  1. Venham jovens, idosos, crianças
    E vivamos o amor-compromisso
    Na partilha, no dom da esperança
    E na fé que se torna serviço. (2x)

Fonte:  V CFE 2021, Texto-Base: Brasília-DF, Edições CNBB.

https://portalkairos.org/lancado-o-clipe-do-hino-da-campanha-da-fraternidade-2021/#ixzz6nD5s4vBk

https://www.cnbb.org.br/escolhido-o-cartaz-da-campanha-da-fraternidade-ecumenica-de-2021-fraternidade-e-dialogo-compromisso-de-amor/

unnamed
cf1
cf3